Pensos higiénicos reutilizáveis: serão o (meu) futuro must-have?

Quem segue a página sabe que, recentemente, resolvi experimentar pensos higiénicos reutilizáveis, em tecido. A discussão aqui não é sobre outros produtos menstruais; abordo aqui especificamente o que uso e, como em tudo tantas outras coisas, também nisto cada mulher é única e trata a sua menstruação como melhor se sente.

Há quem não se importe de falar sobre o tema, há quem o ponha de lado e nunca goste de o ver mencionado, e há todo o intervalo entre os extremos. Por isso, aqui vou falar da minha experiência e de como as coisas são para mim.

Portanto, eu tenho o período desde os 12 anos, o que, com 35 agora, faz com que sejam já 23 anos disto. (Tive direito aqui a cerca de 2 anos de intervalo, com a gravidez e a regularização dos ciclos antes disso, mas no meio desse tempo todo parece irrelevante para o caso 😜)

Nestes anos todos, experimentei vários produtos no mercado, mas muitos deles são muito invasivos para mim (tudo o que seja de enfiar, como tampões, discos, etc), por isso sempre mantive os pensos higiénicos por perto. Nunca tinha ponderado muito sobre utilizar absorventes reutilizáveis, até porque os meus ciclos só eram regulares quando tomava a pílula. Durante 15 anos, tive menstruações iguais todos os meses, potenciadas pela pílula. Quando parei de a tomar, estive meio ano sem nada, tive que tomar medicação, depois passei para o acompanhamento com a Andreia, de que já aqui falei, e só depois disso vieram os meus “verdadeiros” ciclos. Naturais, sem hormonas tomadas.

Depois da segunda gravidez, decidi voltar à pílula, e já a tomo novamente há mais de um ano, mas noto que estão diferentes. Claro que isso está relacionado com a forma como o meu corpo evoluiu com a gravidez e afins, nada de incomum nisso. No entanto, trouxe-me um par de questões que quis ver resolvidas e estar em casa praticamente 24 horas por dia ajuda a tomar medidas.

Assim, comecei a ponderar esta situação dos pensos reutilizáveis e, conhecendo a Mariana e o trabalho que ela faz, não foi difícil optar por algo que desse pelo menos para a tentativa.

Começo então pelas questões a endereçar:

1. O meu fluxo super abundante nos dois primeiros dias. De dia isto não é um problema. É chato, chego a mudar de penso a cada 2h ou 3h, mas nada de dramático. Já durante a noite, é uma chatice. Normalmente, para além de usar pensos super, tenho que usar uns shorts por cima das cuecas para a coisa ficar sempre juntinha e absorver o máximo possível. Correndo bem, de manhã é só tirar uma cena super cheia de menstruação e está tudo bem. Quando não corre, toca a mudar de roupa, lençóis e até o edredão (já aconteceu). É um grande incómodo para viver 12 vezes por ano (assumindo que só acontece uma vez por ciclo).

2. A irritabilidade que me causam os pensos quando o fluxo já não é intenso, mas não é tão escasso que possa usar apenas o pensinho diário mais fino. Ora bem se há zona onde dispenso assaduras é aí, e isto é algo que antes não acontecia.

A estas duas questões, podem juntar as ambientais e as económicas (se bem que estas últimas dependem da rentabilidade dos produtos).

Comprei o pack de teste, que traz um penso de cada (4 na totalidade)

Posto isto, vi que a Mariana vende um conjunto interessante para quem quer começar a usar este produto. É um conjunto que traz um penso de cada modelo disponível para podermos experimentar durante o ciclo todo. Traz então um penso noite, um penso super, um penso normal e um penso diário. Acho que este é o melhor para quem nunca experimentou e não sabe se vai gostar. Até podem gostar para usar à noite e não durante o dia, ou podem só gostar do diário; assim têm a oferta completa e depois podem decidir.

Além disso, neste caso a recomendação é para o trabalho da Mariana, a Mãe ao Cubo +1, porque o trabalho dela é de qualidade e é personalizado. Vocês têm a possibilidade de escolher os tecidos, e vem uma coisa ao vosso gosto. Acaba por motivar não é?

Ok, vamos à experiência!

Neste momento já experimentei todos os pensos durante alguns dias e já consigo dar uma opinião. Apesar de tudo, foi um test-drive limitado ao meu ciclo, por isso posso vir a completar a opinião daqui a um mês ou dois.

Demorou a sair do forno!

Para melhorar a coisa, e porque encontrei pensos reutilizáveis à venda num chinês, decidi aproveitar e fazer essa comparação. Tenho a certeza de que quem procura vê as várias opções e nem sempre é clara a qualidade (nem o tamanho) de cada penso. Daí aproveitar a oportunidade 🙂

Acima falta o penso diário que comprei à Mãe ao Cubo, mas aparece nas fotos abaixo.

Quer sejam com uns, quer com outros, posso dizer que os senti no início, o que é totalmente normal se acontecer. Já vi quem dissesse o contrário, e tudo bem na mesma. Pensem que passam de um produto ao qual estão provavelmente habituadas a usar há anos (décadas, talvez, até!), por isso é natural que sintam um penso diferente. Esclarecendo: senti, sim, conscientemente. Ao fim de uns minutos estava tudo bem. Já era parte das cuecas. 😛

Para facilitar, fiz uma avaliação de 1 (péssimo) a 5 (ótimo) de alguns parâmetros e coloquei numa tabela. Depois explicarei as classificações 🙂

Mãe ao cubo +1Chineses
Conforto54
Absorvência43
Lavagem55
Tamanho44
Qualidade material53,5
Padrões tecidos54
Geral54

Vamos ver ponto a ponto, para clarificar.

Conforto:

Aqui pensei na forma como o penso fica: se é incómodo, se gera transpiração, se cria cheiros, se sai do sítio, etc. A principal diferença aqui é ter os pensos da Mariana feitos em materiais que são mais transpiráveis, enquanto que os chineses de certeza que têm algum item na composição que causa mais retenção da humidade. A parte de fora destes é de um tecido impermeável, o que por si já ajuda a causar maior condensação de humidade na área onde toca.

Usando o mesmo tipo de penso (ex: normal) pelo mesmo número de horas, sinto que o chinês me faz transpirar ao fim de 2 a 3 horas. Se estiver nos dias de fluxo muito forte, não chego a usar durante tanto tempo e não é problemático, mas nos restantes dias pode ser chato se tiver que ficar uma manhã ou tarde inteira sem mudar.

Absorvência:

Aqui não tenho quaisquer dúvidas de que os da Mariana superam os restantes. E só não lhe dei um 5 por um pequeno detalhe: nas duas primeiras noites, em que o meu fluxo é super abundante, fica uma mancha rosada do lado de fora do penso. Efetivamente, não passou nada para as cuecas, e garanto-vos que o teste desses dias é levar o penso à exaustão, porque são umas 8h com ele posto em mega fluxo. Se não fosse esse detalhe, seria perfeito, mas também posso ser eu a ser picuinhas :p

Globalmente falando, estou mais satisfeita com a absorvência dos pensos da Mariana do que dos chineses. As razões são simples. Em dias de pouco fluxo, ambos funcionam, mas no verdadeiro teste dos dias de fluxo abundante, os pensos da Mariana são muito superiores.

Lavagem:

Quando uusei o primeiro penso destes, que foi o hiper da Mariana, na primeira noite da menstruação, juro que pensei que ia ser uma vez sem exemplo, e que mesmo que o penso aguentasse ia ser um filme para o lavar bem.

Mal o tirei de manhã, passei logo por água até deixar de ver vermelho e depois mandei-o para a máquina e fiz a lavagem normal. Recordam-se de ter dito que passou fluxo para a camada de fora? Saiu tudinho e o penso é branco desse lado 🙂

Lembrem-se de que o sangue coze a temperaturas altas, por isso convém ou fazerem uma pré-lavagem a frio e depois a vossa lavagem normal, ou então passarem para a lavagem normal mas a uma temperatura mais baixa.

Contem também ainda com o tempo de secagem, para saber de quantos precisarão para o vosso ciclo. Aqui, posso dizer que os dos chineses secam rápido: são mais finos, tem materiais que secam mais rápidos (como o impermeável)… Mas isso não é tudo, pois não?

Tamanho:

Aqui chegamos a um ponto curioso. Para isto ser um teste justo, arranjei pensos de todos os tamanhos em cada um dos “fornecedores” 😉 portanto, estamos a falar de diário, normal, super e pós-parto (ou, como lhe vou chamar, hiper).

Tirei fotos a casa um dos tamanhos lado a lado para perceberem as semelhanças e diferenças. Assim, podem ver por vocês mesmos os tamanhos, as formas, as espessuras, o materiais… Fiz por ordem: diários, normais, super e hiper.

Antes de mais, a primeira diferença óbvia são as dimensões, especialmente do hiper. Se repararem, é praticamente do mesmo tamanho que o super da Mariana. Portanto, em termos específicos da compra desse tamanho no chinês foi uma falha redonda 🙄 até vêm nas fotos acima que o pus em cima de um penso super da mesma linha e são praticamente do mesmo tamanho. Não deveria ser assim (vieram da mesma loja e tudo.), tanto que nem pus a foto em cima do da Mariana porque é mesmo do tamanho do super. 🤦‍♀️

Depois, as abas. Este são o único ponto em que prefiro o do chinês, por serem mais largas. Para a roupa interior que eu costumo usar, ficam mais ao tamanho, enquanto que os da Mariana apertam um pouco a cueca no centro. No entanto, nunca tive problemas com isso em termos de eficiência do penso, até porque a zona absorvente fica onde deve ficar 😏

Em termos de espessura, vão reparar que os chineses são mais finos do que os outros. Como disse acima para o fluxo normal e durante umas horas a coisa serve. No entanto, a coisa faz a diferença principalmente nos primeiros 2/3 dias. Apostem na qualidade, pessoal!

Qualidade do material:

Este é um ponto no qual não há dúvidas: a Mariana utiliza bons materiais e ainda por cima o produto final é personalizado e único! Os materiais dos outros pensos não são péssimos, pelo menos dos que comprei, mas retêm mais a humidade, não permitindo tanta transpiração, e as camadas interiores são mais finas, logo não absorvem tanto.

Mais, a costura do industrial é única e a da Mariana é dupla e reforçada 🙂

A Mariana coloca 2 molas para podermos ajustar a largura a que queremos apertar o penso e o amiguinho chinês não. 👌

Posto isto, valemos do investimento.

O conjunto que comprei à Mãe ao Cubo +1 ficou por €28,50 já com os portes. Os dos chineses rondaram os €9.

Em termos de qualidade, sem dúvida que os primeiros são um investimento a longo prazo e que não irão desapontar. Consigo ver os chineses a aguentarem talvez um par de anos, mas duvido que vão muito além disso. Em consideração aqui está também a resistência das camadas interiores que, estando escondidas, poderão estragar-se sem nos apercebermos.

Para o meu uso, acho que este pacote vai dar, apesar de mais um penso para a noite fazer jeito.

Como faço máquinas de roupa a cada 2 dias, mais ou menos, estes foram suficientes para o ciclo, sendo que intercalei com descartáveis à noite a partir da 3a noite e de dia enquanto os outros secavam. É assim que me vejo para já: a utilizar os dois recursos. Estando em casa, é-me tranquilo usar só pensos reutilizáveis. Tiro e vai para a máquina ou ponho a lavar. Já fora de casa faz-me ainda confusão ter que tirar e andar com um penso sujo na mochila (é óbvio que ficaria fechado e seria posto numa bolsa própria, mas ainda não estou confortável com a ideia).

Em todo o caso, já é um passo importante, não acham? Mais, se com isto conseguir que mais alguém experimente, ainda melhor 😁👌

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s